Camila Pasin: Trauma dental no esporte – o que fazer?

29.04.2021

Camila Pasin: Trauma dental no esporte – o que fazer?

Uma das questões principais quando o assunto é trauma dental no esporte é que, na grande maioria dos casos, professores, técnicos, treinadores, equipes, clubes etc., não recebem orientações ou até mesmo um treinamento adequado para lidar com essa situação no primeiro momento até conseguir atendimento especializado de um dentista. Ressalto a importância desse primeiro cuidado uma vez que, segundo estudos divulgados pela ADA (American Dental Association), mais de 5 milhões de dentes são avulsionados (dente sai completamente da boca – conforme caso representado na figura 1) por ano no mundo, e a prática esportiva é responsável por aproximadamente 40% desses casos. 

A forma mais indicada para proteger esse tipo de ocorrência é que o atleta faça uso de protetor bucal individualizado/customizado, pois dessa forma diminui-se drasticamente a chance de o protetor bucal cair da boca no momento do impacto e dessa forma o atleta não ter o benefício do uso do mesmo, pois o protetor ideal apresenta maior absorção de impacto, com espessura Ideal para cada tipo de esporte; permite falar, respirar e até tomar água durante o treino ou competição.

Apesar de os números registrados de trauma dental durante a prática de esporte ser muito relevante, a utilização de um protetor bucal ainda não é obrigatória em todas as modalidades esportivas, e pouco difundida dentro das instituições esportivas e de ensino.

E o questionamento que fica é: o que fazer frente a um traumatismo dental? Isso depende muito da conseqüência que o trauma trouxe. Por exemplo:

  1. Caso tenha fraturado parte do dente: Encontre o fragmento (pedaço do dente), conserve em um recipiente limpo com soro fisiológico ou leite e procure um dentista para avaliar a possibilidade de recolar esse fragmento.
  2. Casos onde o dente ficou mole ou torto: Se o dente estiver torto e/ou mole, com as mãos limpas, tente empurrá-lo para a posição original e procure o cirurgião dentista o mais rápido possível.
  3. Se o dente sair completamente da boca: Procure localizar o dente e não toque ou segure na raiz do dente. Lave-o com água filtrada ou soro fisiológico sem esfregar e tente reposicionar, caso não consiga, guarde em um recipiente com leite ou soro fisiológico e leve-o mais rápido possível para o dentista. Em caso de criança, que o dente avulsionado seja de leite, não tente o reposicionamento, acondicione o dente da mesma forma já descrita e procure um dentista o mais rápido possível.

Em todos os casos, quanto menor tempo o dente permanecer fora da boca, e quanto mais rápido procurar seu dentista, maiores serão as chances de sucesso de recuperação do dente ou fragmento dental.

A importância de nos prepararmos com esse tipo de informação pode ser a grande chave para que a recuperação do(s) dente(s) pós trauma, para que tenhamos o melhor prognóstico possível.

Foto: Reprodução/SporTV

Clique aqui e leia mais textos da Camila Pasin

Camila Pasin

Por

Camila Pasin


A Drª Camila Redin Pasin é graduada em Odontologia pela Universidade Federal de Santa Catarina e especialista em Ortopedia dos Maxilares e Ortodontia. É sócia proprietária da AMMÊ Odontologia Especializada e apaixonada pela sua área de atuação! 

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Ao publicar um comentário, você concorda automaticamente com nossa política de privavidade e nossa política de cookies

x

Ouça a Rádio

botão play